Contexto SAGRADAS ESCRITURAS, 21.jun.2017, Hebreus 4

Visto que temos um grande Sumo Sacerdote, JESUS, FILHO de DEUS, que penetrou nos céus, retenhamos firmemente a nossa confissão.
[Hebreus 6.20; 1.2-3; 8.1; 9.24; 10.12]
Porque não temos um Sumo Sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém Um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado.
[2Coríntios 5.21; João 8.46; Hebreus 7.26; 2.17-18]
Cheguemos pois com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno.
[Efésios 3.12; Filipenses 4.6-7; Êxodo 25.17-22; Levítico 16.2; 1Crônicas 28.11]

[659,985]

novembro 05, 2009

Hierarquia evangélica, racismo religioso.

.
"Foi o modo de vida de índios brasileiros que provocou os primeiros passos de uma revolução na maneira de como pensar a humanidade. O intérprete da mudança foi o antropólogo Claude Lévi-Strauss. Na década de 1930 ele saiu de uma Paris cosmopolita e se embrenhou no Cerrado, no Pantanal e na Amazônia.

Ao conviver com os bororos, os nhambiquaras e outras etnias, Lévi-Strauss chegou a uma conclusão inovadora: “Que o modo de pensar dos índios é absolutamente idêntico ao nosso e o que o Lévi-Strauss vai mostrar é essa universalidade do pensamento humano, seja o pensamento dos ditos povos selvagens, seja o pensamento dos ditos povos civilizados. A importância disso é mostrar que, na verdade, não se pode hierarquizar povos, não se pode hierarquizar culturas, como se alguns fossem superiores a outros”.

As idéias de Lévi-Strauss tiveram um forte impacto no pensamento moderno, principalmente em um momento muito importante do século XX. Foi depois da Segunda Guerra Mundial, depois das atrocidades cometidas pelo nazismo, que propagava a superioridade de uma raça em relação às outras. Lévi-Strauss aproveitou a experiência que teve com os índios brasileiros para combater todas as teorias racistas."


Fonte: g1

O antropólogo Lévi-Strauss com um pouco de raciocínio lógico e perseverança naquilo que propôs a fazer, não se firmando em religião, mas, buscando conhecer o homem e seus princípios, ainda que, distantes da civilização, mas no princípio do pensamento, sem hierarquias absolutistas, sem imposição de rótulos, determinou que, para o ser chamado homem, absolutamente, todos são iguais.

Entretanto, quando trazemos este reflexo do pensamento para dentro do que se chamam “igreja”, o universo torna-se nebuloso, mesquinho, tenebroso, e avassalador.

A necessidade imperativa do homem religioso de ser superior é eminente no seguimento que mais necessitada que seja o contrário...

Este é o ensinamento de Jesus, para todo aquele que pensa ou deseja ser o maior:

- “O maior dentre vós será vosso servo. E o que a si mesmo se exaltar será humilhado; e o que a si mesmo se humilhar será exaltado” [Mateus 23].

Porém, não é o que estamos acostumados a encontrar na maioria das igrejas templos de tijolos, um desfile de soberba, uma exaltação ao ego, egocentrismo fora do comum, uma grande parcela dos que se intitulam “líderes”, se acham os donos da verdade, querendo que tudo e todos os vejam como um ser superior, exigem status, posição de destaque, com sua ordem e subordinação dos poderes eclesiásticos, burlam a vontade de Deus.

Podemos com certeza afirmar que, através do ensinamento religioso que impera no meio cristão (igrejas, blogs, comunidades virtuais), existe um certo "racismo", o indivíduo precisa fazer parte do meio de amizades, o amor fraternal é trocado por conhecimento somente pessoal, nas congregações, o que oferta quantidades maiores é destaque; há uma acepção generalizada quanto ao próximo, não basta falar de Cristo e Sua verdade, precisa ter afinidade individual, ser da panelinha.

A maioria pastoral, principalmente se tiver qualquer cursinho acadêmico, busca que todos o cerquem com bajulações, que todos os amem acima de tudo, que sejam as vedetes religiosas, esbanjando sabedoria (humana); selecionam para si, os que permeiam e aceitam seus ensinamentos.

Porém, nosso Amado Mestre assim adverte:

Mas não sereis vós assim; antes o maior entre vós seja como o menor; e quem governa como quem serve” [Lucas 22].

Mas, não me venham com o cansativo discurso de que estou generalizando, existem humildes, e por sinal, são os verdadeiros homens de Deus; não desfilam título, não requerem tapinhas nas costas. Mas, são poucos!

Por certo que, Jesus, sempre através de Sua mensagem de Amor, requer que todos sejam iguais; título não é sinal de superioridade, hierarquia religiosa somente traz divisão entre os homens; a maioria dos pastores requer para si, um destaque que não se encontra nas Sagradas Escrituras; Cristo foi enfático:

Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros” [João 13].

.
______________________

Um comentário:

Armando Marcos disse...

Oi James: concordo com sua opnião e explanação, e entendo a critica, claro que minha intenção não é tapar a boca de nenhum blogueiro, e sim alertar quanto na muitas futilidades que tem pela blogosfera por ai( e o seu blog não é desse bojo, claro,é sempre biblico e prático)

Abraços
Armando