Contexto SAGRADAS ESCRITURAS, 14.abr.2017, Jeremias 18

Então veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:
Não poderei EU fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? diz o SENHOR. Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na Minha mão, ó casa de Israel.
[Isaías 64.8; 45.9; Mateus 20.15; Jeremias 18.4; Daniel 4.23]
No momento em que falar contra uma nação, e contra um reino para arrancar, e para derrubar, e para destruir,
[Jeremias 1.10; 12.14-17; 25.9-14; 45.4; Amós 9.8]
se a tal nação, porém, contra a qual falar se converter da sua maldade, também EU ME arrependerei do mal que pensava fazer-lhe.
[Jeremias 26.3,13; Ezequiel 18.21; Juízes 2.18]

[628,570]

novembro 07, 2007

Está chegando o natal dos católicos enquanto os crentes anunciam a morte do Senhor até que Ele venha!

Quando Jesus Nasceu?

Antes de tentar responder a pergunta vale ressaltar que em nenhuma ocasião Jesus expressou a idéia de que seus seguidores devessem celebrar seu aniversário. Pelo contrário, em duas ocasiões quando as pessoas queriam enfatizar seus laços naturais (mãe e irmãos), ele rapidamente rebateu esta atitude, enfatizando a importância dos seus laços espirituais (os discípulos e todos aqueles que ouvem e pratica sua palavra) – Lc. 11:27,28; Mc. 3:31-35. Em outras palavras, ele não queria ser venerado como um grande astro e sim como o caminho pelo qual todos os homens poderiam chegar a Deus nas mesmas condições de filiação que ele tinha.

É com este propósito que ele realmente instituiu uma cerimônia em sua memória, não um aniversário, uma vez por ano, mas “todas as vezes que o beberdes, em memória de mim (1Co. 11:25)”. Ele queria que lembrássemos dele sempre, não como uma figura histórica a ser homenageada, mas como o pão e o vinho da Ceia, que nos alimentam e nos dão o poder para tornar-nos como Ele.

Guardando isto em mente e lembrando que “as coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, mas as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos (Dt. 29:29)”, podemos declarar que a Bíblia nos dá pistas quanto à época do ano em que Jesus nasceu sem contudo precisar uma data exata.

A dica principal encontra-se no evangelho de Lucas. Lucas era médico, e portanto, pessoa acostumada a tratar de minúcias, homem que devido à sua própria profissão se acostumara a ser meticuloso e detalhista. Pois bem: no primeiro capitulo do seu evangelho, no versículo 5, encontramos fatos que não podem encontrados em nenhum dos outros evangelhos: “Nos dias de Herodes, rei da Judéia, houve um sacerdote chamado Zacarias, do turno de Abias. Sua mulher era das filhas de Arão, e se chamava Isabel (Lc.1:5)”.

Quero que anote esta expressão sublinhada: DO TURNO DE ABIAS.

Continuando o relato nos versículos 8 e 9: “Ora, acontecendo que, exercendo ele diante de Deus o sacerdócio na ordem do seu turno, coube-lhe por sorte, segundo o costume sacerdotal, entrar no santuário do Senhor para queimar incenso”.

O Espírito Santo insiste: NA ORDEM DO SEU TURNO. E ali, conforme os versículos seguintes, Zacarias teve uma visão de um anjo, que lhe disse que teria um filho. Pelo fato de não ter crido, ele ficou mudo; essa mudez constituiu um sinal de que aquela visão realmente fora de Deus.

Lucas continua: “Sucedeu que, terminados os dias do seu ministério, voltou para casa. Passados esses dias (dias do seu ministério), Isabel, sua mulher, concebeu”.

A conclusão a que chegamos até agora é a seguinte: João Batista, o profeta, o precursor de Jesus, foi concebido imediatamente após o período em que ocorria o “turno de Abias”, quando Zacarias voltou para casa e para sua esposa, depois de ministrar no templo.

Lucas 1:26-38 relata que um anjo visitou Maria, e ela “achou-se grávida pelo Espírito Santo” (Mt. 1:18). No final daquela visita, o anjo lhe disse: “E Isabel, tua parenta, igualmente concebeu um filho na sua velhice, sendo este já o sexto mês para aquela que diziam ser estéril (Lc.1:26,36). Veja bem: agora chegamos à conclusão de que Jesus foi concebido seis meses depois de João Batista, ou seja, seis meses após o período ou “o turno de Abias”. (Veja o quadro no início do nosso estudo).

O que é esse turno de Abias? Em que época do ano ocorre? Para lhe responder, precisaremos voltar ao Antigo Testamento.

No livro de 1º Crônicas 24, se apresenta a relação dos turnos em foram organizados os sacerdotes para ministrarem na casa do Senhor. Foi esta relação que originou a tabela do início do nosso estudo. Eles começaram a ministrar no tabernáculo de Davi, posteriormente passaram a ministrar da mesma forma no templo de Salomão, conforme verificamos em Lucas 1:5 e seguintes, esses turnos de sacerdotes continuaram a ser obedecidos na ordem devida até a destruição do templo de Jerusalém por volta do ano 70 A.D.

Nos versículos 7 a 18 encontramos uma relação de vinte e quatro turnos de sacerdotes (lembre-se dos 24 anciãos que João viu), distribuídos entre as vinte e quatro famílias de sacerdotes descendentes de Arão, que se sucediam ministrando na casa do Senhor. É fácil concluir que essa escala devia ser cumprida no decorrer do ano religioso ou litúrgico dos judeus. Assim sendo, obviamente cada turno de sacerdotes oficiaria durante quinze dias.

“Saiu a primeira sorte a Jeoiaribe, a segunda a Jedaías, a terceira a Harim, a quarta a Seorim, a quinta a Malquias, a sexta a Miamim, a sétima a Coz, a oitava a Abias (1Crônicas 24:7-10). ANOTE: O TURNO DE ABIAS ERA O OITAVO.

Quando então começava a funcionar o primeiro turno? Esta interrogação é importante, pois como você deve ter desconfiado, da sua resposta vai depender a localização exata da época do nascimento de Jesus!

O primeiro turno começava a funcionar no primeiro mês do ano religioso dos judeus. – Mas pastor, quando era isso? Vejamos: “Disse o Senhor a Moisés e Arão na terra do Egito: este mês vos será o principal dos meses; será o primeiro mês do ano (Ex.12:1,2; 13:4; Dt. 16:1). “No mês primeiro, aos catorze do mês, no crepúsculo da tarde, é a páscoa do Senhor (Lv. 23:5)”.

O primeiro mês do calendário religioso judaico (mês de Abibe – Êxodos 23:15) coincide mais ou menos com o nosso mês de março (veja o quadro!). É fato bem sabido que a Páscoa é uma festa móvel, que cai em março ou abril. Ela é móvel justamente porque sua data não é marcada segundo o nosso calendário, mas segundo o calendário judaico, que se baseia no ano lunar (o nosso é romano, gregoriano).

As pessoas que estão familiarizadas com os costumes modernos dos israelitas ficarão surpresas com esta constatação, pois na verdade os judeus dos nossos dias, em todo o mundo, comemoram o Ano Novo na data da Festa dos Tabernáculos (ou Festa das Trombetas), isto é, entre setembro ou outubro.

Esta discrepância com a determinação bíblica se deve ao fato de que os israelitas, no decorrer dos séculos, por razões que não vêm ao caso neste estudo, mudaram o início do ano civil para o meio exato do ano religioso – a data da Festa dos Tabernáculos, e por isto existem dois inícios do ano judaico: o secular começar na Festa de Tabernáculos, no primeiro dia do sétimo mês do ano religioso (Lv. 23:23-25), e o religioso começa catorze dias antes da Páscoa (Celebrando a saída do Egito). Contudo, para nós as modificações feitas pelos homens nada nos interessam. Interessa-nos a Palavra do Senhor: “Este mês (o mês de Abibe, o da Pascoa ) ... será o primeiro mês do ano (Ex. 12:1,2)”. Assim, o ano religioso começa a primeira festa Bíblica, Pácoa, enquanto que o ano civil começa com a terceira festa Bíblica, a Festa de Tabernáculos.

Com todos estes em mãos, você agora deve estudar com atenção redobrada, o quadro que iniciamos este estudo, a fim de entender melhor.

RESUMINDO...

João Batista foi gerado logo depois do período em que os sacerdotes do turno de Abias serviam no templo, ou seja, no fim de junho ou começo de julho, em nosso calendário. Jesus nosso Senhor, foi gerado pelo Espírito Santo seis meses depois, isto é, no fim de dezembro ou começo de janeiro (provavelmente durante os dias da festa de Hanuká – a festa das luzes).

Contando-se os nove meses normais de gestação, segundo estes cálculos cronológicos, Maria veio dar à luz ao nosso Senhor no fim de setembro ou começo de outubro – nos dias da Festa de Tabernáculos, no ano seguinte, ou sétimo mês do calendário judaico – o mês de Etanim (I Rs. 8:2). O sétimo mês judaico era marcado pela soleníssima Festa dos Tabernáculos, a terceira e última das grandes festas instituídas por Deus por intermédio de Moisés.

A conclusão surpreendente a que chegamos é de que Jesus não nasceu nem poderia ter nascido em dezembro, nem poderia usar para nascer uma data de festividade pagã, como a Saturnália romana ou o natalis invicti solis, mas usou uma festa judaica, a Festa dos Tabernáculos, como ocasião para vir ao mundo.

É importante notarmos a esta altura que estamos tratando com um Deus sábio e lógico, autor da matemática celeste e das ciências exatas, que determinou a órbita dos astros e dos elétrons com exatidão inestimável, e que não faz nada por acaso ou coincidência, nem é tomado de surpresa pelo desenrolar dos acontecimentos, pois é Onisciente.

(FONTE: OLIVEIRA, Adiel Almeida de. QUANDO JESUS NASCEU – PG 27,28 – 1987 – Comentário do Pr. Vladimir Soares. Publicado na Revista Impacto Nov/Dez 1999 pgs.9-11).

outubro 27, 2007

As Igrejas na Mira da Lei – Novo Código Civil

Adaptado de Cícero Duarte

Definição do que sejam organizações religiosas

Quando o Código Civil trata das associações, o texto apresenta a definição legal de associações, dispondo em seu artigo 53, o seguinte:
Art. 53. Constituem-se as associações pela união de pessoas que se organizem para fins não econômicos. Do texto acima se depreende que, se existe uma união de pessoas, organizadas para fins não econômicos, o nome que se dá a isto é ASSOCIAÇÃO, que era gênero do qual igrejas seriam espécies. Por outro lado “associações” também são espécies em relação ao gênero pessoas jurídicas de direito privado.

Duas são as perguntas que nos preocupam neste momento e que estão sem resposta: a) o que seriam “organizações religiosas”? e, b) quem vai apresentar tal definição, ou seja quem vai dizer o que seriam organizações religiosas?

De hora em diante, por força da Lei 10.825/03, foi criado a nova espécie, incluído nas pessoas jurídicas de direito privado, denominada, organizações religiosas, que, infelizmente, ou uma lei ou o conjunto jurisprudencial haverá de conceituar juridicamente.

Até a publicação da Lei 10.825/03, não existia qualquer necessidade de se apresentar tal conceito, pois igrejas eram simplesmente reuniões de pessoas para fins não econômicos, tal como previsto no citado artigo 53 do Código Civil, mas no momento que passou a existir a previsão legal de “organizações religiosas”, a definição do artigo 53, não se presta mais para conceituar legalmente as igrejas.

Mas somos obrigados a pensar que as igrejas começaram a correr o sério risco. Pois alguém poderá apresentar uma definição do que seja “organizações religiosas”, e poderá, por exemplo decretar que a igreja que não estivesse de acordo com a definição, não poderia ser beneficiária da imunidade constitucional para o não pagamento de imposto incidente ao seu local de culto.

Isto quer dizer que, quando um legislador ou o poder judiciário apresentar a definição do que seja organização religiosa, ai sim, começará a existir o cerceamento para nossas comunidades. Vejamos, se a igreja tal se encaixar na definição é igreja, mas se a comunidade tal não se encaixar na definição não será considerada organização religiosa, e quem sabe, não deveria nem mesmo se beneficiar da imunidade tributária relativa ao seu local de culto.

De outra, feita, cremos que organizações religiosas (seja lá o que isso queira expressar) deverá abranger todo e qualquer tipo de expressão de religiosidade minimamente organizado, tais como nossas igrejas evangélicas, paróquias católicas, centros espíritas, terreiros de umbanda, ou qualquer outra associação que tenha como finalidade qualquer forma de culto coletivo.

Mas certamente vão existir dúvidas se as seguintes organizações e entidades sejam ou não entendidas como organizações religiosas: as missões evangélicas; faculdades de teologia; seminários teológicos; asilo de idosos, e diversas outras organizações, que além de constituírem-se em obras pias, também apresentam preponderantes aspectos de organizações religiosas, apresentando até mesmo corpo doutrinário.

Como a lei não definiu o que sejam organizações religiosas, e precisamos trabalhar com alguns elementos conceituais, apresentamos o seguinte conceito de organizações religiosas sob o ponto de vista legal, quais sejam: as organizações que tenham como atividade preponderante qualquer expressão de fé ou culto.

A Subordinação do Estatuto à Igreja

Alguns irmãos e profissionais da área jurídica e contábil apresentam a necessidade de determinada igreja ter seu estatuto como sendo o fato mais importante na vida da igreja.

Na verdade quer se tentar dar, ao aspecto institucional e jurídico da igreja, um valor que não existe. Não queremos dizer com isso, que o estatuto ou a dimensão jurídica da organização religiosa não tem qualquer importância, evidentemente tem sim sua importância, mas essa importância está limitada exatamente aos aspectos jurídicos ali tratados, ou seja, sob o ponto de vista teológico, ético, e outros mais, inerentes à vida de uma organização religiosa cristã, que se apresente como Igreja, os aspectos jurídicos institucionais não têm, realmente, muito significado.

Por outro lado, os aspectos jurídicos e institucionais da igreja, certamente deverão estar subordinados e a serviço da igreja e por esta delimitados.

Do prazo para as adaptações

O artigo 2031, do Código Civil, com o seu novo parágrafo único, explicita que:

Art. 2.031. As associações, sociedades e fundações, constituídas na forma das leis anteriores, terão o prazo de um ano para se adaptarem às disposições deste Código, a partir de sua vigência; igual prazo é concedido aos empresários. Parágrafo único – O disposto neste artigo não se aplica às organizações religiosas nem aos partidos políticos (Incluído pela Lei nº 10.825, de 22.12.2003).

Da simples leitura do novo texto de lei, certamente poderemos entender que o prazo de um ano para as adaptações ao Novo Código Civil, é aplicável somente para as associações, sociedades e fundações, tal como explicitado no caput do artigo, evidentemente que as “organizações religiosas”, não estavam incluídas neste artigo.

Concluindo, entendemos que certamente as alterações produzidas no Código Civil Brasileiro, no que se refere às “organizações religiosas”, não trouxe nenhum benefício significativo para as igrejas evangélicas, e por outro lado, nós “igreja evangélica no Brasil”, também não queremos qualquer privilégio que qualquer outra cidadão não possa ter, queremos sim, continuar mantendo a liberdade de culto e de expressão de fé, que foi construída ao longo de tantos anos, e que certamente é atualmente a mais ampla liberdade religiosa que existe no mundo.

Garantia à liberdade de culto

Foi acrescido pela Lei nº 10.825, de 22.12.2003, um parágrafo primeiro ao artigo 44, do Código Civil, que expressa o seguinte: são livres a criação, a organização, a estruturação interna e o funcionamento das organizações religiosas, sendo vedado ao poder público negar-lhes reconhecimento ou registro dos atos constitutivos e necessários ao seu funcionamento. Conforme já esclarecido, nenhum cerceamento existiu durante a vigência do texto anterior do Código Civil, para as igrejas evangélicas, e a liberdade de expressão de culto e religiosidade estavam e continuam plenamente contemplados no nosso ordenamento constitucional, ex vi artigo 5º, inciso VI, da Constituição Federal: é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias.

De ora em diante passa a existir a garantia infraconstitucional de proteção, não ao culto ou a qualquer forma de expressão de religiosidade, mas sim ao reconhecimento da personalidade jurídica às organizações religiosas. Percebe-se nesse momento que existe clara confusão entre o aspecto jurídico, administrativo e financeiro da igreja enquanto pessoa jurídica, e seu aspecto espiritual, devocional e teológico, e que em nada é cerceado.

Ao contrário do que alguns leigos na matéria imaginavam, não existia a menor possibilidade de interferência do Ministério Público em qualquer igreja evangélica, seja em sua forma de culto, liturgias, conteúdo doutrinário ou em qualquer outro aspecto espiritual e devocional.

Evidentemente que o direito que o cidadão tem a peticionar e a requerer do poder judiciário apreciação sobre qualquer direito que julgue ter sido lesado, é expressamente garantido constitucionalmente, de modo que, se um membro excluído se sentir injustiçado por qualquer motivo, certamente este indivíduo poderá requerer ao Poder Judiciário que aprecie sua causa, e isto de maneira alguma foi alterado e nem poderia ser alterado por qualquer legislação infraconstitucional, seja pelo antigo Código Civil, seja pelo Novo Código Civil ou pela recente Lei 10.925/03.

outubro 25, 2007

Vocação e Salvação: A Promessa Salvífica

Por vocação ou chamada (do grego kleseous - Ef 1.18) entende-se aquele ato gracioso de Deus pelo qual Ele convida os pecadores a aceitarem a salvação que se oferece em Cristo Jesus. É obra do Deus Triúno, sendo por isso atribuída ao Pai (1Co 1.9; 1Ts 2.12; 1Pe 5.10), ao Filho (Mt 11.28; Lc 5.32; Jo 7.37) e ao Espírito Santo (Mt 10.20; Jo 15.26; At 5.31,32). É uma vocação, através da pregação do Evangelho, onde Deus proclama a todos os homens que se arrependam e creiam no sacrifício vicário de Cristo (Mt 28.19; Mc 16.15; 2Tm 1.9-11; At 2.38; 1Co 1.23,24). Muitos, porém, não aceitaram esse chamado (At 13.46; 2Ts 1.8-10; Jo 1.10,11). É uma vocação que opera para a salvação, baseada na própria escolha do homem (At 13.46-48).

Esta é a doutrina do chamado de Deus. A graça de Deus é exaltada, não apenas na provisão da salvação, mas também na oferta da salvação aos imerecedores. Podemos definir o chamado de Deus como o ato da graça pelo qual Ele convida os homens a aceitarem, pela fé, a salvação providenciada por Cristo. Isto pode ser entendido de acordo com o esboço bíblico abaixo:

1. As Pessoas Chamadas

As Escrituras indicam que a salvação é oferecida a todos:

a) - Aos “predestinados” (Rm 8.30);

b) - A todos que “estão cansados e sobrecarregados” (Mt 11.28);

c) - A “todo aquele que crê” (Jo 3.15,16; 4.14; 11.26; Ap 22.17);

d) - Aos “confins da terra” (Is 45.22; Ez 33.11; Mt 28.19; Mc 16.14; Jo 12.32; 1Tm 2.4; 2Pe 3.9);

e) - E a “quantos encontrardes” (Mt 22.9).

À luz destas passagens, não ousamos fazer distinção entre uma chamada geral a todos e um chamado especial aos eleitos, nem precisamos, tampouco, decidir se o chamado geral de Deus é sincero e se é especial e irresistível. Deus não zomba dos homens. Se Ele oferece salvação a todos, é porque deseja que todos sejam salvos, estendendo a mesma ajuda a todos que O escolherem.

O chamado a salvação é obra do Deus Triúno, sendo por isso atribuída ao Pai (1Co 1.9; 1Ts 2.12; 1Pe 5.10), ao Filho (Mt 11.28; Lc 5.32; Jo 7.37) e ao Espírito Santo (Mt 10.20; Jo 15.26; At 5.31,32). É uma vocação, através da pregação do Evangelho, onde Deus proclama a todos os homens que se arrependam e creiam no sacrifício vicário de Cristo (Mt 28.19; Mc 16.15; 2Tm 1.9-11; At 2.38; 1Co 1.23,24). Muitos, porém, não aceitaram esse chamado (At 13.46; 2Ts 1.8-10; Jo 1.10,11). É uma vocação que opera para a salvação, baseada na própria escolha do homem (At 13.46-48).

Esta é a doutrina do chamado de Deus. A graça de Deus é exaltada, não apenas na provisão da salvação, mas também na oferta da salvação aos imerecedores. Podemos definir o chamado de Deus como o ato da graça pelo qual Ele convida os homens a aceitarem, pela fé, a salvação providenciada por Cristo. À luz das passagens anteriores, não ousamos fazer distinção entre uma chamada geral a todos e um chamado especial aos eleitos, nem precisamos, tampouco, decidir se o chamado geral de Deus é sincero e se é especial e irresistível. Deus não zomba dos homens. Se Ele oferece salvação a todos, é porque deseja que todos sejam salvos, estendendo a mesma ajuda a todos que O escolherem.

A vontade do homem é o único obstáculo à salvação. Deus não dá a um a vontade de fazer o bem, deixando o outro sem ajuda nesse aspecto.

2. O Objeto do Chamado

Deus não chama os homens para uma reforma de vida, para as boas obras, para o batismo, para serem da igreja, etc. Todas essas coisas são apropriadas em si mesmas, sendo simplesmente o fruto daquilo para o que Ele os chama.

As coisas para as quais Ele chama o homem, são:

a) - Arrependimento (Mt 3.2; 4.17; Mc 1.14,15; At 2.38; 17.30; 2Pe 3.9).

b) - Fé (Mc 1.15; Jo 6.29; 20.30,31; At 16.31; 19.4; Rm 10.9; 1Jo 3.23).

3. Significado do Chamado

Deus tem uma variedade de meios pelos quais chama os homens. Vejamos:

a) - Por meio de sua Palavra:

Ele chama os homens diretamente através da Palavra de Deus (Rm 10.16,17; 2Ts 2.14). Por isso, é necessário fazer com que a Bíblia chegue a todas as partes do mundo.

b) - Por meio de seu Espírito:

Deus chama os homens pelo seu Espírito (Jo 16.8; Gn 6.3; Hb 3.7,8). O Espírito Santo insta com o pecador para vir e aceitar a Cristo.

c) - Por meio de seus servos:

Deus chama os homens através de seus servos (2Cr 36.15; Jr 25.4; Mt 22.2-4,9; Rm 10.14,15). Jonas é um bom exemplo de como Ele usa mensageiros humanos para trazer uma cidade ao arrependimento. A Palavra de Deus tem que ser levada aos não salvos por pessoas regeneradas, que possam testificar a respeito do poder dessa Palavra em sua própria vida.

d) - Por meio de sua bondade:

Deus chama os homens através do modo providencial como os trata. Sua bondade serve para levá-los ao arrependimento (Rm 2.4; Jr 31.3), mas, se não conseguir, então os seus juízos irão fazê-lo (Is 26.9; Sl 107.6,13).

outubro 23, 2007

Sinais sempre são confiáveis?

Muitas pessoas hoje, especialmente no movimento pentecostal e suas ramificações, valorizam sinais acima de tudo. Interpretam acontecimentos na vida como provas da aprovação divina de suas decisões. Recorrem para visões e revelações para justificar suas práticas. Defendem suas doutrinas, citando algum sinal especial como confirmação do Espírito Santo.

Sinais sempre são confiáveis como prova da aprovação divina?

Em geral, os sinais, prodígios e milagres na Bíblia serviam para confirmar a palavra revelada por Deus aos profetas e apóstolos. No Velho Testamento, Deus capacitou homens como Moisés, Elias e Eliseu a realizarem milagres para confirmar a sua mensagem. No Novo Testamento, os apóstolos e vários outros recebiam os dons do Espírito Santo para confirmar a palavra revelada (Marcos 16:20; Hebreus 2:4; 2Coríntios 12:12).

Em outros estudos, temos visto várias diferenças entre os verdadeiros sinais dos tempos da Bíblia e os supostos dons milagrosos que tantas pessoas buscam hoje. Neste artigo, consideremos outro aspecto da questão dos dons. Mesmo se alguém acreditar ver um sinal milagroso hoje, ainda deve dar mais importância às Escrituras.

Deus nunca colocou os sinais acima da palavra.

No Velho Testamento, o Senhor disse: “Quando profeta ou sonhador se levantar no meio de ti e te anunciar um sinal ou prodígio, e suceder o tal sinal ou prodígio do que te houver falado, e disser: Vamos após outros deuses...não ouvirás a palavra deste profeta ou sonhador; porquanto o Senhor, vosso Deus, vos prova, para saber se amais o Senhor, vosso Deus, de todo o vosso coração e de toda a vossa alma” (Deuteronômio 13:1-3). Neste caso, mesmo se o sinal fosse verdadeiro, qualquer um que seguisse o profeta seria condenado, pois a palavra dele contradizia a verdade já revelada.

No Novo Testamento, sinais milagrosos acompanharam os apóstolos do Senhor. Mas Paulo, um dos apóstolos, nos alerta: “Mas, ainda que nós ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema” (Gálatas 1:8). Se viesse direto do céu ou se mostrasse os sinais dos apóstolos, ainda seria necessário avaliar pela palavra.

Paulo avisou, também, de sinais e prodígios de mentira, empregados por satanás (2Tessalonicenses 2:9-10).

Não importa quantos sinais alguém alega ter visto ou ter feito, a prova final é a palavra já revelada. Nunca devemos colocar sinais acima da palavra.

  • O Que a Bíblia Ensina Sobre Falar em Línguas

Quase todos os grupos religiosos tentam "provar" que são a religião verdadeira. Freqüentemente, eles apelam para algum tipo de sinal, milagre ou experiência sobrenatural. Os católicos, por exemplo, citam o aparecimento de Maria; os mórmons alegam as visitas de um anjo a Joseph Smith; os espíritas têm uma variedade de sinais e manifestações do sobrenatural; a Igreja Universal do Reino de Deus, todas as noites, realiza curas, expulsões de demônios e milagres; as igrejas pentecostais tradicionais têm línguas, curas, e o batismo do Espírito Santo. E a lista continua. Certamente, não é Deus aquele que realiza todas estas demonstrações, em todos estes diferentes grupos. Como podemos saber com certeza se um sinal ou uma língua ou um fenômeno sobrenatural é de Deus ou não?

A existência de falsos sinais, prodígios de mentira e milagres falsificados não surpreenderá os estudantes sérios da Bíblia. Numerosos textos bíblicos advertem sobre estas coisas (Mateus 24:4; 2Coríntios 11:13-15; 2Timóteo 3:13; Apocalipse 13:13-14; 16:13-14). Se acreditarmos na Bíblia, podemos esperar uma abundância de falsos milagres.

Então, como saberemos quais sinais são verdadeiros e quais não são? Primeiramente, comparando o ensinamento do operador do sinal com as Escrituras para ver se sua mensagem é verdadeira. João nos adverte para testar os espíritos: "Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora" (1João 4:1). Ele revela o teste a usar: "Nós somos de Deus; aquele que conhece a Deus nos ouve; aquele que não é da parte de Deus não nos ouve. Nisto reconhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro" (1 João 4:6). O teste é a revelação escrita pelos apóstolos. Os cristãos de Beréia são um bom exemplo: "Ora, estes de Beréia eram mais nobres que os de Tessalônica; pois receberam a palavra com toda a avidez, examinando as Escrituras todos os dias para ver se as cousas eram, de fato, assim" (Atos 17:11). Paulo operou sinais em Beréia, mas os cristãos dali determinaram se Paulo era de Deus ou não, comparando sua pregação com as Escrituras. (Deuteronômio 13:1-5; Jeremias 23:25-32; 1Coríntios 12:1-3; 1Tessalonicenses 5:21 podem ser estudados para mais ajuda neste ponto).

Infelizmente, muitas pessoas vêem acontecimentos espantosos e, automaticamente, concluem que eles vêm de Deus. Precisamos perceber que coincidência, pensamento positivo, ilusão fraudulenta e o diabo podem falsificar milagres bíblicos. Contudo, as falsificações nunca poderão igualar-se aos milagres reais. Deus mostrou que seu Filho era inigualável por meio de sinais que hoje ninguém sequer pretende realizar: transformar água em vinho, multiplicar pães e peixes, caminhar sobre as águas, curar instantaneamente um cego, surdo e leproso, e ainda ressuscitar um morto.

Temos que voltar ao modelo da Bíblia, que é testar o sinal pela Palavra de Deus, e não modificar a Palavra de Deus para ajustá-la ao sinal. A Bíblia é o padrão segundo o qual toda a pretensão de ter um sinal ou um prodígio de Deus deve ser testada. Por favor, estudem as Escrituras cuidadosamente, com o desejo de permitir que elas sejam o juiz final da validade de qualquer sinal ou prodígio.

Regras de Uso (1Coríntios 14:26-40)

· ·Específicas:

v. 27 Não mais do que dois ou três por culto

v. 27 Sucessivamente

v. 28 Se não houver intérprete, fique calado

v. 34-35 As mulheres não falam na igreja

· ·Princípios Gerais:

v. 26 Tudo para edificação

v. 40 Com decência e ordem

Em 1Coríntios 14:26-40 encontram-se vários regulamentos para o uso das línguas da Bíblia. Existem regras específicas e princípios gerais. Quase todas estas regras a serem obedecidas no uso das línguas da Bíblia são habitualmente violadas por aqueles que pretendem falar línguas da Bíblia. Em vez de limitar o número dos que falam em línguas a 2 ou 3 pessoas por culto, as igrejas de hoje, às vezes, têm dúzias falando no mesmo culto. Em vez de falar um de cada vez, atualmente falam muitos simultaneamente. Em vez de falar em línguas somente quando um tradutor está presente, muitas igrejas onde se falam em línguas falam quer haja um intérprete, quer não. A proibição de Deus das mulheres falarem nos cultos da igreja é tão flagrantemente desrespeitada que, em alguns cultos, a maioria dos que falam em línguas é mulheres. As regras gerais, também, são violadas freqüentemente. Os propósitos das línguas são mais de mostrar excitação e emoção do que edificar. E, em muitos cultos em que se falam línguas, há pouquíssima ordem. O forte contraste entre as regras de Deus para as línguas da Bíblia e as regras que são seguidas pelas línguas modernas deveriam fazer-nos perguntar: Por quê? Por que, se temos os mesmos dons, não seguimos as mesmas regras? Se as igrejas que mais freqüentemente dizem que falam em línguas flagrantemente desrespeitam a Bíblia no uso destas línguas, poderia ser que essas próprias línguas não fossem de Deus?

O propósito das línguas da Bíblia era diferente do propósito das línguas de hoje. Nos primeiros dias da Cristandade, o Novo Testamento estava em processo de revelação. Ninguém poderia recorrer ao Novo Testamento escrito, para testar a verdade do ensinamento de um homem, uma vez que ainda não estava escrito. Por isso foram dados aos apóstolos e aos profetas sinais especiais, tais como as línguas, para mostrar que sua mensagem vinha de Deus. Sinais dados por Deus deveriam confirmar a palavra dos apóstolos e dos profetas revelando o Novo Testamento. Nota: "Estes sinais hão de acompanhar aqueles que crêem: em meu nome expelirão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma cousa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados. De fato, o Senhor Jesus, depois de lhes ter falado, foi recebido no céu e assentou-se à destra de Deus. E eles, tendo partido, pregaram em toda a parte, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra por meio de sinais, que se seguiam" (Marcos 16:17-20). "De sorte que as línguas constituem um sinal não para os crentes, mas para os incrédulos; mas a profecia não é para os incrédulos e sim para os que crêem" (1Coríntios 14:22). "Como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram; dando Deus testemunho juntamente com eles, por sinais, prodígios e vários milagres, e por distribuições do Espírito Santo segundo a sua vontade" (Hebreus 2:3-4). Isto é, exatamente, o que aconteceu quando os apóstolos falaram em línguas, no dia de Pentecoste. Sua habilidade para falar em outras línguas, apesar de serem galileus, provou que a nova mensagem que eles estavam revelando era de Deus. Cada vez que uma nova mensagem é revelada, Deus, tipicamente, dá prova da autenticidade de seus mensageiros. Moisés, por exemplo, operou muitos sinais para mostrar que os mandamentos que Deus estava revelando por meio dele vinham, de fato, de Deus. Jesus operou muitos sinais e foi, finalmente, ressuscitado, para provar sua afirmação de que era o Filho de Deus. Igualmente, os apóstolos e profetas do primeiro século operaram sinais e prodígios, incluindo as línguas, para demonstrar que Deus estava, na verdade, revelando sua nova mensagem através deles. Mas Deus nunca continuou a confirmar sua revelação por novos sinais a cada geração sucessiva. Sua Palavra, uma vez confirmada, é considerada provada para todas as gerações. Assim, nenhuma geração posterior de israelitas podia testemunhar a separação das águas do Mar Vermelho ou os milagres do Monte Sinai (Êxodo 13-14, 20). Ninguém, desde o primeiro século, viu o corpo ressuscitado de Jesus. Da mesma maneira, a Palavra revelada pelos apóstolos já foi confirmada e nenhum sinal novo está sendo dado para "reconfirmá-la".

A Bíblia também mostra que as línguas interpretadas (traduzidas) edificavam a igreja (1Coríntios 14) por meio da revelação das mensagens de Deus. Mensagens que foram mais tarde escritas para nós, no Novo Testamento. Desde que a Palavra já foi revelada e confirmada, qual propósito tem as "línguas" modernas? De acordo com o ensinamento em muitas igrejas Pentecostais, as línguas são para louvar a Deus e para mostrar a evidência da salvação. Os propósitos das línguas da Bíblia eram diferentes do propósito das "línguas" modernas.

· Pessoas que Recebem

· Igreja Universal do Reino de Deus

· Igreja Quadrangular

· Igreja Deus é Amor

· Assembléia de Deus

· Igrejas contra a doutrina da trindade

· Católicos carismáticos

Línguas iguais, mas doutrinas diversas!

Hoje, as "línguas" são usadas por muitas e diferentes igrejas que pregam e ensinam doutrinas contraditórias. Igrejas desde a Igreja Universal do Reino de Deus até a Assembléia de Deus, e desde a Deus é Amor até as igrejas que negam a Trindade, todas têm as mesmas línguas. Muitos católicos falam línguas nas igrejas católicas carismáticas. Estaria o Espírito Santo dando seu sinal de aprovação a igrejas que pregam coisas que contradizem completamente umas às outras? Muitas das doutrinas e práticas destas igrejas não só contradizem umas às outras, mas contradizem também a Bíblia.

Quando Jó viveu?

O livro de Jó tem um lugar muito especial nas Escrituras. Fala sobre o terrível sofrimento de um servo de Deus, e como ele e seus amigos procuraram fazer sentido da angústia dele.

A pessoa que lê a Bíblia de começo ao fim, não achando nenhuma data no livro de Jó, poderia pensar que fora escrito depois de Ester, o livro anterior nas nossas Bíblias. Mas as evidências sugerem que Jó viveu bem antes de Ester. Vamos observar alguns fatos:

1. A posição de Jó no Velho Testamento é devido ao estilo de literatura, e não à data. Normalmente reconhecemos quatro ou cinco divisões principais do Velho Testamento. Os primeiros cinco livros (o Pentateuco) explicam a origem do mundo, dos homens e, especialmente, do povo de Israel. Os próximos doze (de Josué a Ester) seguem a história dos judeus da conquista da terra prometida até o cativeiro babilônico e o retorno à terra. Os próximos cinco (de Jó até Cântico dos Cânticos) são livros de sabedoria e louvor. Os últimos 17 (Isaías até Malaquias) são livros proféticos, que relatam algumas pregações de alguns mensageiros de Deus daquela época (às vezes, os livros proféticos são divididos em cinco maiores e doze menores). Percebemos que Jó não segue Ester. É o primeiro dos livros de Sabedoria.

2. Os sacrifícios de Jó. Na época dos Patriarcas, vários servos de Deus faziam sacrifícios em diversos lugares (Gênesis 9:20-21; 12:7-8; 33:20; 35:14; etc.). Uma vez que o povo de Israel chegou à terra prometida, foi proibido para os judeus oferecerem sacrifícios em outros lugares, a não ser no local designado por Deus (Deuteronômio 12:1-14). Além disso, somente sacerdotes levitas faziam esses sacrifícios (Levítico 14:19). Se Jó fosse israelita vivendo sob a Lei dada por meio de Moisés, ele não teria direito de fazer os seus próprios sacrifícios em outros lugares, como fez com a aprovação de Deus (Jó 1:5; 42:8).

3. A idade de Jó. No início do livro de Jó, achamos um homem casado com dez filhos adultos e muitas posses. Depois de suas experiências com sofrimento e os debates com seus amigos, Jó ainda viveu 140 anos (42:16-17). Ao todo, a vida de Jó certamente chegou perto de 200 anos, e talvez foi muito além dessa idade. Sabemos que os homens nos primeiros capítulos de Gênesis atingiam idades bem avançadas. Depois do dilúvio, as idades começaram a diminuir. Abraão viveu 175 anos; Isaque, 180; Jacó, 147; José, 110; etc. Depois do livro de Gênesis, não há registro de ninguém que viveu 140 anos ou mais. Este fato sugere que Jó se encaixa na época dos Patriarcas, talvez durante ou antes do tempo de Abraão.

Jó, sem o privilégio que nós temos de estudar a história de milhares de anos da fidelidade de Deus para com os homens, se mostrou fiel ao Senhor. O exemplo dele de enfrentar calamidades com plena confiança em Deus nos desafia hoje. E nós temos a vantagem de podermos ler o livro de Jó e dezenas de outros livros que mostram a fidelidade e a bondade do Senhor!

outubro 20, 2007

Se Você Tivesse Sido Noé... (vamos examinar nossas vidas!)

Noé brilhou como um farol numa sociedade de trevas. As condições morais dos seus dias haviam deteriorado ao ponto em que Deus determinou inundar o mundo inteiro. Assim, ele selecionou Noé para construir um barco para preservação da vida na terra, e para pregar ao povo a respeito do julgamento devastador que estava se aproximando (2Pedro 2:5). O Novo Testamento elogia Noé como um modelo de fé e justiça (Hebreus 11:7). Se você tivesse sido Noé, você teria...

Achado graça?

Se você tivesse sido Noé, você teria achado graça diante de Deus? "Porém Noé achou graça diante do SENHOR" (Gênesis 6:8). Isto significa que Deus se agradava dele, o que é, por si só, um pensamento admirável. Deus é tão santo que é difícil imaginar que homens pudessem realmente viver de tal modo a dar-lhe prazer. Mas Noé o fez, e nós também podemos. Como? "Noé era homem justo e íntegro entre os seus contemporâneos; Noé andava com Deus" (Gênesis 6:9). Noé era fiel a Deus e vivia como Deus gostava que ele vivesse. E, é notável que Noé vivia numa época de muita impiedade. "Viu o SENHOR que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração.... A terra estava corrompida à vista de Deus e cheia de violência" (Gênesis 6:5, 11). É possível viver fielmente diante de Deus no meio da impiedade e do mal. De fato, se queremos agradar a Deus, precisaremos fazer isso, porque a vida de um servo fiel de Deus é usualmente solitária. São exigidas concentração e disciplina para nadarmos contra a corrente. Você teria andado com Deus? Se você tivesse sido Noé, com o mundo inteiro corrompido, você teria achado graça diante de Deus?

Aceitar a Soberania de Deus, fazer como Deus mandou

Deus mandou que Noé construísse um barco e lhe disse as dimensões, o material e muitos detalhes sobre as partes essenciais dele. Noé, por seu lado, obedeceu exatamente. "Assim fez Noé, consoante a tudo o que Deus lhe ordenara.... E tudo fez Noé, segundo o SENHOR lhe ordenara" (Gênesis 6:22; 7:5). Você teria feito justamente como Deus havia mandado, se você tivesse sido Noé? Não responda um sim rápido, pense sobre a tarefa que Deus deu a Noé. Não era trabalho fácil. O barco era enorme. Noé tinha que obter os materiais, construir o barco e, então, calafetar a coisa toda com betume. Deus nunca pede o impossível e Noé foi capaz de fazer o trabalho, mas era uma tarefa desafiadora. O Senhor não tem planos de desconto para seus servos. Teria sido fácil para Noé ter-se desculpado da ordem do Senhor porque o trabalho era difícil. Em vez disso, ele obedeceu.

Noé não seguiu o plano do Senhor apenas de modo geral. Ele fez tudo o que Deus lhe disse para fazer. Teríamos nós seguido à risca a planta da construção? Teríamos pensado que ele estava sendo muito exato e feito pouco das especificações de Deus, dizendo que não era tão importante a maneira como o barco seria construído? Não teríamos achado alguma "idéia melhor", digamos, botes separados para os elefantes (viver durante um ano num barco com um elefante não parece ser muito atraente, não é?) É fácil contentar-nos com seguir vagamente as ordens de Deus e simplesmente dar uma olhada em seu desenho. O homem que agrada a Deus é cuidadoso em sua obediência.

Noé fez tudo o que Deus havia dito ainda que não parecesse razoável. Algumas pessoas sugerem, baseado em Gênesis 2:6, que poderia nunca ter chovido antes disto. Isto é uma opinião sem provas, mas é certo que nunca havia tido antes um dilúvio universal. Era um período de tempo ordinário (Mateus 24:37-39), sem nenhum sinal da destruição iminente. Certamente, a imensa maioria das pessoas pensava que o projeto de Noé era uma tolice. Mas Noé obedeceu a Deus. Às vezes discordamos do Senhor e pensamos que nossas idéias são melhores do que as Dele. Se você tivesse sido Noé, e se Deus lhe tivesse mandado construir um enorme barco, você teria obedecido?

Apesar dos surdos espirituais, continuar pregando

Noé era um pregador de justiça (2Pedro 2:5). Parece provável que ele tivesse 120 anos para pregar (Gênesis 6:3). Mas apenas oito pessoas decidiram entrar na arca (Noé, sua esposa, seus três filhos e suas noras). Com tão pobre resultado, poderíamos ter sido tentados a deixar de pregar. Noé, evidentemente, não deixou. Deus quer que sua palavra seja pregada, independente da resposta. Muitos dos servos de Deus têm pregado sem ver muito, talvez nenhum, efeito. Isaías foi mandado pregar ao povo que não queria ouvir até que Deus veio e destruiu suas cidades (Isaías 6:9-11). Jeremias sentiu-se frustrado porque aqueles a quem ele pregava não prestavam atenção na sua mensagem (Jeremias 6:10-11). Ezequiel pregou para povo de coração endurecido que ele sabia que era improvável que correspondesse (Ezequiel 2:3-5). Mas Deus queria que esses homens pregassem sua palavra apesar da resposta negativa. Ele queria que Noé pregasse, e ele pregou. Precisamos analisar os 'resultados' da obra de Noé e pensar que ele fracassou, mas Noé não fracassou. Ainda que somente membros de sua família imediata responderam, Noé foi fiel honrando a Deus ao proclamar sua mensagem.

É duro ser diferente. Gostamos de estar com a maioria, sentimo-nos mais seguros e confortáveis. Mas, quando estamos com o Senhor, estamos em maioria, porque o Senhor é a maioria, não importa quantos estejam com ele. "Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?" (Romanos 8:31). Ficar só exige coragem, confiança no Senhor, e obstinada determinação. Noé tinha estas qualidades; nós temos? Teríamos continuado a pregar quando ninguém estava ouvindo?

Entrado na arca?

Noé poderia ter dado muitas desculpas para não entrar na arca no tempo indicado por Deus. Ele poderia ter dito que era inconveniente, embaraçoso ou que ele não estava pronto. Mas Noé não o fez. Ele entrou na arca e o Senhor fechou a porta. Deus decidiu salvar aqueles que tinham entrado na arca antes que a porta fosse fechada. Depois que começou a chover muito forte, se Noé tivesse aberto uma janela ou porta, ele poderia provavelmente ter recebido uma grande multidão querendo entrar, mas esse não era o plano de Deus. Noé poderia ter argumentado que eles eram honestos e sinceros e que certamente o Senhor queria salvá-los. Mas Noé não tentou alterar o plano de Deus de salvação. Hoje em dia os homens freqüentemente começam a duvidar do que Deus disse sobre aqueles que Ele escolheu e tentam mudar as condições para que as pessoas achem mais fácil entrar nas bênçãos de Deus. Mas a vontade do Senhor não está sujeita a nossa modificação ou crítica. O caminho é estreito, muitos são excluídos (Mateus 7:13-14; Lucas 13:2-30). Quando a porta da salvação for fechada, será muito tarde (Mateus 25:1-13). Nós mesmos teríamos entrado na arca? Teríamos tentado salvar outros mesmo depois que Deus tivesse fechado a porta?

Salvo sua família?

"Nesse mesmo dia entraram na arca Noé, seus filhos Sem, Cam e Jafé, sua mulher e as mulheres de seus filhos" (Gênesis 7:13). É notável que Sem, Cam e Jafé e suas esposas entraram na arca, apesar da impiedade universal. Seus filhos teriam entrado? Evidentemente, Noé ensinou bem os seus filhos; eles deviam ter visto em Noé um exemplo consistente de fidelidade a Deus. Podemos conseguir enganar uma porção de nossos amigos, até mesmo pessoas da igreja, e convencê-los de que somos servos sinceros de Deus, mas não é provável que enganemos nossos filhos. Eles nos conhecem bem. E se eles vêem que não tentamos viver o que pregamos, eles provavelmente seguirão nossas vidas, e não nossos sermões. Alguns pais estão mais ansiosos para que seus filhos sejam populares ou excelentes na escola ou no futebol do que fieis ao Senhor. Mas a missão de Deus para nós é educar nossos filhos "na disciplina e na admoestação do Senhor" (Efésios 6:4). Filhos podem ser educados para serem fiéis a Deus num mundo ímpio. Se você tivesse sido Noé, você teria preparado seus filhos adequadamente?

Adorado a Deus quando saiu?

Qual teria sido seu primeiro pensamento depois de passar mais de um ano naquele barco com todos os animais? O de Noé foi construir um altar e adorar o Senhor. É tão fácil receber as bênçãos de Deus e gozá-las grandemente, sem nunca agradecer ao seu doador. Muitas outras atividades tendem a dominar nossos pensamentos e atenção. Mas o que precisamos fazer em todas as situações é voltarmo-nos para o Senhor. Se você tivesse sido Noé, quando ele saiu da arca, você teria pensado imediatamente em adorar a Deus?

Conclusão

Noé era um bom homem. De fato, ele foi usado em Ezequiel 14, junto com Daniel e Jó, como modelo de justiça. Mas Noé não era perfeito. Nosso único modelo completamente confiável é o próprio Senhor. Mesmo assim, a maioria das pessoas acha um enorme desafio seguir o exemplo de Noé. Se você tivesse sido Noé, você teria...?

Vamos Orar a Deus por Esta Humanidade!

O que diz a Palavra de Deus:

  • Onde Caim encontrou sua esposa?

Esta é uma das perguntas que sempre teimam em reaparecer, algumas vezes usadas para tentar ridicularizar a Bíblia, na sua descrição da criação. Mas, para aqueles que perguntam honestamente, Gênesis 5:4 diz que Adão e Eva tiveram outros filhos e filhas, além de Caim e Abel. É evidente que Caim escolheu uma esposa entre suas irmãs, ou talvez sobrinhas. Enquanto depois, o casamento com a própria irmã foi condenado como fornicação (Levítico 18), isso foi permitido naqueles primeiros tempos da terra, por causa da necessidade prática.

Atualmente, o casamento com qualquer parente próximo é desaprovado, porque os filhos daqueles que se casam com parentes próximos correm muito risco de serem retardados mentais ou terem defeitos físicos. Isto é devido ao acúmulo dos defeitos genéticos dos parentes próximos. Mas isto não teria causado nenhum problema a Caim. Deus criou Adão e Eva perfeitos. Naquelas primeiras gerações deve ter havido pouca herança acumulada de defeitos a serem passados aos filhos. Então, não houve nenhum problema no casamento entre parentes próximos e Deus, obviamente, o permitiu.

Vivemos em uma época em que algumas pessoas tentam, freqüentemente, invalidar a doutrina da criação. Ela é chamada mito ou conto de fada. Mas a Bíblia apresenta a criação como História e Jesus aceitou as palavras de Gênesis como historicamente verdadeiras (Mateus 19:4-6). Enquanto é verdade que Deus poderia ter resolvido criar o homem pela evolução ou de muitas outras maneiras, a Bíblia ensina que Deus de fato escolheu criar o homem diretamente a partir do pó do chão e soprar nas suas narinas o sopro da vida. Faríamos bem em aceitar a palavra de Deus neste assunto, porque nós não estávamos lá!

  • A Bíblia é clara em dizer que não havia chuva antes do dilúvio.

Está escrito em Gênesis 2: 5 e 6: "E toda a planta do campo que ainda não estava na terra, e toda a erva do campo que ainda não brotava; porque ainda o Senhor não tinha feito chover sobre a terra, e não havia homem para lavrar a terra. Um vapor, porém, subia da terra, regava toa a face da terra."

  • Romanos 12:1 - “culto racional”

Apresentar os nossos corpos a Deus é o nosso “culto racional” (Romanos 12:1). Qual o significado desta expressão? Para entender o termo usado por Paulo, devemos compreender as duas palavras que ele empregou.

Culto traduz uma palavra grega (latreia) que aparece cinco vezes no Novo Testamento. Na Almeida Revista e Atualizada 2ª Edição, é traduzida “culto” em João 16:2; Romanos 9:4 e 12:1 e “serviço(s) sagrado(s)” em Hebreus 9:1 e 6. Significa serviço. Pode ser o serviço de obediência a Deus em geral, ou pode se referir, como nas duas citações em Hebreus 9, aos atos específicos de louvor dirigidos a Deus. Assim, a palavra culto, em nosso uso hoje, corretamente descreve o serviço dado ao Senhor quando cristãos o adoram. Mas, a mesma palavra pode abranger qualquer ato de obediência que honra o nome de Deus.

Racional vem da palavra grega logikos. Nesta palavra, não é difícil ver a idéia da lógica ou raciocínio. Este adjetivo aparece, no Novo Testamento, somente aqui e em 1 Pedro 2:2, onde descreve o leite espiritual. A forma do substantivo (logos), porém, aparece mais de 300 vezes no NT, e é traduzida por termos como palavra, conta, ensinamento, modo, ditado, testemunho, verbo, etc. A idéia principal tem a ver com discurso e raciocínio.

O que é, então, o nosso culto racional? Uma vez que entendemos o que Deus tem feito por nós, faz sentido nos dedicar a ele em obediência e serviço. O uso da palavra “pois” em Romanos 12:1 mostra que este serviço razoável se baseia nas coisas ditas anteriores. Paulo acabou de falar sobre a profundidade da riqueza de Deus, que nos criou e nos deu a salvação de graça (Romanos 11:33-36). Por isso, devemos nos dedicar ao Senhor.

Nenhuma outra resposta faz sentido. Rejeitar o Deus que nos deu a vida – duas vezes! – seria loucura. Não amar aquele que nos ama tanto não seria sensato. Rebelar-se contra o Soberano que tem demonstrado sua bondade e severidade (Romanos 11:22) seria totalmente ilógico.

Romanos 12:1 frisa um fato importante no estudo da palavra de Deus. Nosso estudo nunca deve se reduzir a um exercício acadêmico – aprendendo só para saber. O conhecimento da palavra de Deus exige uma aplicação prática. A maioria das cartas do NT, como é o caso de Romanos, contém uma série de aplicações práticas no final, depois de estabelecer a base doutrinária. Tiago disse: “Tornai-vos, pois, praticantes da palavra, e não somente ouvintes” (Tiago 1:22). Este é o nosso culto racional!

  • A Lei do Antigo Testamento foi revogada por Jesus?

Uma leitura superficial de alguns versículos apresenta uma dificuldade, até dando a impressão de uma contradição nas Escrituras. Alguns religiosos aproveitam esta suposta contradição para negar claras afirmações sobre o anulamento da Lei dada aos israelitas no monte Sinai.

Em Mateus 5:17-18, Jesus disse: “Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas, não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo, até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra.” Alguns citam esta afirmação para tentar obrigar as pessoas de hoje a guardarem o sábado e outros mandamentos da Antiga Aliança.

Para compreender este comentário de Jesus, precisamos prestar atenção especial a três palavras que ele usou. A palavra revogar vem de uma palavra grega que significa derrubar, subverter ou destruir. Jesus não veio para subverter a Lei, ele veio para cumprir. A palavra traduzida cumprir significa completar, levar até o fim, realizar ou obedecer. Jesus não pretendia subverter a lei, ele pretendia cumpri-la, assim a levando até o seu determinado fim. A terceira palavra importante é a preposição até. Os céus e a terra poderiam passar, mas a lei não passaria até ser cumprida. Esta palavra (traduzida até, até que, ou enquanto) significa algo que chega até um certo ponto e termina. Deus falou para José ficar no Egito até que ele fosse avisado (Mateus 2:13). José não “conheceu” Maria “enquanto ela não deu à luz um filho” (Mateus 1:25). Na morte de Jesus, houve trevas até à hora nona (Lucas 23:44). A Lei não perdeu sua força até ser cumprida por Jesus.

O autor de Hebreus usou uma palavra diferente, embora traduzida em algumas Bíblias pela mesma palavra portuguesa, quando disse: “Portanto, por um lado, se revoga a anterior ordenança, por causa de sua fraqueza e inutilidade (pois a lei nunca aperfeiçoou coisa alguma), e, por outro lado, se introduz esperança superior, pela qual nos chegamos a Deus” (Hebreus 7:18-19). Revogar, neste trecho, significa anular, abolir, ou remover. No mesmo capítulo, ele falou da mudança (ou remoção) da lei (Hebreus 7:12).

Os cristãos não estão “subordinados” à Lei (Gálatas 3:24-25). Mesmo os cristãos judeus, que estavam sujeitos à lei, foram libertados dela (Romanos 7:6). O escrito da dívida foi removido inteiramente na cruz, pois Jesus cumpriu aquela Lei (Colossenses 2:14). Após a morte do Testador, a Nova Aliança tomou seu lugar (Hebreus 8:6-13; 9:15-17).

Jesus não subverteu a Lei do Antigo Testamento; ele cumpriu e removeu aquela e nos deu a Nova Aliança.



Pastores Aprovados por Deus

Há pastores na maioria das igrejas. Muitas pessoas almejam o cargo de pastor. Biblicamente, a função dos pastores é cuidar do rebanho (igreja) de Deus (veja 1Pedro 5:1-2; Atos 20:28). Como servos de Deus, os verdadeiros pastores mostrarão a sua preocupação com a vontade do Senhor, fazendo e ensinando o que ele diz.

Nosso estudo de pastores, necessariamente, se baseia na Bíblia. Antes de entrar no estudo, devemos explicar nossos motivos. Estamos escrevendo este artigo para ajudar pessoas honestas a servirem ao Senhor. Conforme o padrão bíblico, fazemos parte de uma congregação local, onde sirvimos ao Senhor junto com outras pessoas. Não mantemos nenhum tipo de laço com nenhuma denominação. A nossa responsabilidade é de fazer a vontade de Deus, e aceitamos a Bíblia como a única fonte de informações sobre a vontade dele. Não temos nenhum motivo para defender nem atacar qualquer pessoa ou organização religiosa. Nosso propósito é bem simples: servir a Deus e ajudar outras pessoas a fazerem o mesmo.

Sem dúvida, este artigo não agradará a todos. Da mesma maneira que o ensinamento de Jesus desafiou os líderes religiosos de sua época, a palavra dele exige mudanças radicais por parte dos dirigentes de muitas igrejas hoje. Não podemos forçar ninguém a mudar, mas podemos e devemos avisar sobre o perigo de seguir a sabedoria humana (leia Provérbios 14:12; Isaías 55:6-9; Jeremias 10:23; Ezequiel 3:18-21). Eu sei, de antemão, que este estudo vai contrariar os ensinamentos e as práticas de muitos pastores e de muitas igrejas. Mas, não podemos servir a Deus e agradar a todos os homens (Gálatas 1:10). Apresentamos este artigo depois de anos de estudo e oração, com o único propósito de divulgar e defender a palavra pura do Deus Santo. Peço que você aborde o assunto com mansidão e o desejo de aprender a aplicar a palavra do Senhor. "Portanto, despojando-vos de toda impureza e acúmulo de maldade, acolhei, com mansidão, a palavra em vós implantada, a qual é poderosa para salvar a vossa alma. Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos. Porque, se alguém é ouvinte da palavra e não praticante, assemelha-se ao homem que contempla, num espelho, o seu rosto natural; pois a si mesmo se contempla, e se retira, e para logo se esquece de como era a sua aparência. Mas aquele que considera, atentamente, na lei perfeita, lei da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte negligente, mas operoso praticante, esse será bem-aventurado no que realizar" (Tiago 1:21-25).

Pastores/anciãos no Velho Testamento

Sabemos que o Novo Testamento, o evangelho de Cristo, fornece o padrão para a igreja de hoje (veja João 12:48-50; Hebreus 8:6-13; 2João 9; Colossenses 3:17). Mas o Antigo Testamento contém exemplos instrutivos que ajudam para entender a vontade de Deus (1Coríntios 10:1-13; Romanos 15:4). No Velho Testamento, encontramos pastores entre o povo de Israel chamados, às vezes, anciãos (o sentido da palavra presbítero no Novo Testamento). Os anciãos das cidades israelitas resolveram problemas que surgiram entre as pessoas (Deuteronômio 21:2,19; 22:15-17; Rute 4:1-11). Quando não conduziram o povo no caminho de Deus, ele cobrou: "O Senhor entra em juízo contra os anciãos do seu povo e contra os seus príncipes. Vós sois os que consumistes esta vinha; o que roubastes do pobre está em vossa casa. Que há convosco que esmagais o meu povo e moeis a face dos pobres? —diz o Senhor, o Senhor dos Exércitos" (Isaías 3:14-15). Deus condenou os pastores gananciosos que não compreenderam a vontade dele e conduziram o povo ao pecado (Isaías 56:9-12). Jeremias transmitiu as palavras do Senhor sobre pastores maus: "Porque os pastores se tornaram estúpidos e não buscaram ao Senhor; por isso, não prosperaram, e todos os seus rebanhos se acham dispersos" (Jeremias 10:21). "Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto! —diz o Senhor. Portanto, assim diz o Senhor, o Deus de Israel, contra os pastores que apascentam o meu povo: Vós dispersastes as minhas ovelhas, e as afugentastes, e delas não cuidastes; mas eu cuidarei em vos castigar a maldade das vossas ações, diz o Senhor" (Jeremias 23:1-2).

Pastores nas igrejas do Novo Testamento

No Novo Testamento, encontramos muitas referências aos pastores/presbíteros/ bispos. Descobrimos em Atos 20:17 e 28 que esses três termos se referem aos mesmos homens (veja, também, 1Pedro 5:1-2, onde os presbíteros pastoreiam). Não temos nenhuma base bíblica para usar o termo "bispo" para descrever um cargo, "pastor" para outro e "presbítero" para ainda outro. Pastores, bispos e presbíteros são os mesmos servos. Lendo o livro de Atos, achamos vários versículos que mencionam presbíteros: na Judéia (11:30); em cada igreja na Ásia Menor (14:23); em Jerusalém (15:2,4,6,22,23; 16:4); da igreja em Éfeso (20:17,28) e, mais uma vez, em Jerusalém (21:18). As epístolas, também, se referem aos homens que pastoreavam as igrejas: "pastores e mestres" (Efésios 4:11); "bispos" em Filipos (Filipenses 1:1); "o presbitério" (1Timóteo 4:14); "presbíteros que há entre vós" (1Pedro 5:1; aqui aprendemos que Pedro era presbítero, um dos dois apóstolos assim identificados—veja 2João 1 e João 1).

O trabalho dos presbíteros inclui várias funções importantes: pastorear (Atos 20:28; 1Pedro 5:2); ensinar (Efésios 4:11-16; Tito 1:9); ser modelos (1Pedro 5:3); presidir (1Timóteo 5:17); vigiar (Atos 20:31); velar por almas (Hebreus 13:17); guiar (Hebreus 13:17); cuidar/governar (1Timóteo 3:5); ser despenseiro de Deus (Tito 1:7); exortar (Tito 1:9); calar os enganadores (Tito 1:9-11); etc.

Observamos em todos os exemplos bíblicos que as igrejas que tinham presbíteros sempre tinham mais de um. Seja em Jerusalém, Éfeso, Filipos ou outro lugar, sempre fala dos presbíteros no plural. A prática comum nas igrejas de hoje, de ter um só pastor numa congregação, não tem nenhum fundamento bíblico.

As qualificações bíblicas de pastores/presbíteros/bispos

Paulo cita as qualificações dos bispos/presbíteros em duas cartas (1Timóteo 3:1-7; Tito 1:5-9). A linguagem dele deixa bem claro que ele não está dando meras sugestões, e sim requerimentos. Em 1Timóteo 3:2 ele diz: "É necessário, portanto, que o bispo seja...." Tito 1:7 diz: "Porque é indispensável que o bispo seja...." Antes de examinar as qualificações em si, vamos entender bem esse ponto. Os requerimentos que encontramos nesses dois trechos são qualidades que o Espírito Santo revelou, através de Paulo, como exigências. Para servir como presbítero, um homem precisa de todas essas qualidades. Ninguém tem direito de apagar nenhum "i" ou "til" do que Deus falou aqui.

Agora, vamos ler o que o Espírito falou nessas duas listas paralelas (bem semelhantes, mas não exatamente iguais).

"Fiel é a palavra: se alguém aspira ao episcopado, excelente obra almeja. É necessário, portanto, que o bispo seja irrepreensível, esposo de uma só mulher, temperante, sóbrio, modesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho, não violento, porém cordato, inimigo de contendas, não avarento; e que governe bem a própria casa, criando os filhos sob disciplina, com todo o respeito (pois, se alguém não sabe governar a própria casa, como cuidará da igreja de Deus?); não seja neófito, para não suceder que se ensoberbeça e incorra na condenação do diabo. Pelo contrário, é necessário que ele tenha bom testemunho dos de fora, a fim de não cair no opróbrio e no laço do diabo" (1 Timóteo 3:1-7).

"Por esta causa, te deixei em Creta, para que pusesses em ordem as coisas restantes, bem como, em cada cidade, constituísses presbíteros, conforme te prescrevi: alguém que seja irrepreensível, marido de uma só mulher, que tenha filhos crentes que não são acusados de dissolução, nem são insubordinados. Porque é indispensável que o bispo seja irrepreensível como despenseiro de Deus, não arrogante, não irascível, não dado ao vinho, nem violento, nem cobiçoso de torpe ganância; antes, hospitaleiro, amigo do bem, sóbrio, justo, piedoso, que tenha domínio de si, apegado à palavra fiel, que é segundo a doutrina, de modo que tenha poder tanto para exortar pelo reto ensino como para convencer os que o contradizem" (Tito 1:5-9).

Leia esses trechos com bastante atenção. Os pastores na sua igreja têm todas essas qualificações? São homens? Casados? Pais de famílias? Com filhos crentes? Conhecedores da palavra? Hospitaleiros? Respeitados por todos? Irrepreensíveis? Professores capazes? Amigos do bem? Têm todas as outras qualidades citadas aqui? Homens com todas essas qualificações são uma grande bênção ao povo de Deus, e serão extremamente úteis nas igrejas locais onde servem como presbíteros. Mas, pessoas que não têm essas qualificações não são autorizadas por Deus a serem pastores. A igreja que escolhe pessoas não-qualificadas como bispos está desrespeitando a palavra de Deus. Pessoas não-qualificadas que aceitam o cargo de pastor estão agindo contra o Supremo Pastor. Presbíteros não-qualificados que continuam nesse papel estão violando a palavra de Deus.

É notável que essas passagens não falam nada sobre escolaridade, cursos superiores, cursos de teologia, diplomas, certificados de seminários, etc. Muitas igrejas têm colocado tais coisas como seus próprios requerimentos, deixando de lado as exigências de Deus.

Os Pastores devem ser casados.

Algumas igrejas permitem e outras exigem que seus pastores sejam solteiros. O que Deus revelou sobre esta questão?

Jesus Cristo, o Supremo Pastor (1Pedro 5:4) concedeu servos conhecidos como pastores e mestres para ajudar os santos (Efésios 4:11). Os homens que pastoreiam são chamados, também, de presbíteros (anciãos em algumas traduções) e bispos (1Pedro 5:1-2; Atos 20:17,28).

O Espírito Santo foi específico e detalhado nas qualificações destes servos. Encontramos listas de características deles em 1Timóteo 3:1-7 e Tito 1:5-9. Para as pessoas que realmente querem agradar ao Senhor, estes trechos resolvem a questão de pastores solteiros. Paulo disse a Timóteo: “É necessário, portanto, que o bispo seja irrepreensível, esposo de uma só mulher” (1Timóteo 3:2). Na sua carta a Tito, começou a lista de qualificações dos presbíteros com as mesmas palavras: “alguém que seja irrepreensível, marido de uma só mulher, que tenha filhos crentes” (Tito 1:6).

Pastores, então, devem ser casados e pais de filhos crentes.

Para defender a prática comum de escolher pastores sem estas qualidades, os homens recorrem a vários argumentos. Vamos considerar algumas questões:

Paulo não foi casado. Paulo foi fiel no seu trabalho de apóstolo e ministro (servo) de Cristo (Atos 26:16; Colossenses 1:1,23), mas, nas Escrituras, ele nunca é chamado de bispo, presbítero ou pastor. Os outros apóstolos eram casados (1Coríntios 9:5). Por isso, não nos surpreende descobrir que alguns deles serviam também como presbíteros (1Pedro 5:1; 2João 1; 3João 1).

Paulo disse que solteiros podem servir melhor (1Coríntios 7:1-7). O conselho de Paulo foi dado em relação a “todos os homens” (7:7) especificamente por causa de uma “angustiosa situação presente” (7:26). Não deve ser interpretado de uma maneira que contradiga outras passagens que incentivam o casamento (1Timóteo 5:14) e que especificamente exigem que presbíteros sejam casados (1Timóteo 3:2; Tito 1:6).

Pastores solteiros? Não na igreja do Senhor!

Desafios atuais

Não é possível, num pequeno artigo como este, elaborar um estudo completo sobre pastores. O propósito deste artigo é desafiar cada leitor a estudar mais, procurando entender bem o que Deus revelou sobre pastorear na igreja. Mas, não é o bastante ouvir a palavra. Tem que praticá-la (Tiago 1:22-25). Se você, ou a igreja onde você congrega, esteja agindo de forma errada, há uma solução só: arrepender-se e começar a obedecer ao Senhor. Pastores não-qualificados devem renunciar ou serem removidos do cargo, para não trazer a ira de Deus sobre a igreja. E se sua igreja insiste em manter pastor(es) não aprovado(s) de Deus, você terá que escolher entre Deus e os homens (Mateus 15:9; Josué 24:15). Tal igreja está desordenada (Tito 1:5) e não procede como deve (1Timóteo 3:15). Igrejas que ainda não têm presbíteros devem encorajar todos os homens a se desenvolverem espiritualmente para serem qualificados, se possível, no futuro.

É bem provável que alguns leitores, especialmente os que fazem parte da direção de algumas denominações, não gostarão deste artigo. Não aceite nada que vem de mim ou de qualquer outro homem; mas não rejeite nada que vem de Deus. "Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo" (Gálatas 1:10).

A Armadura de Deus (Efésios 6:14-20)

  • O cinto (6:14). A verdade, a palavra de Deus (João 17:17) precisa ser embrulhada ao centro do nosso ser para segurar todas as coisas. Sem o cinto da verdade, a armadura se desmancha.
  • A couraça (6:14). O coração é protegido pela justiça de Deus, que é revelada no evangelho (Romanos 1:17). O cristão que vive segundo o evangelho está protegendo seu coração do mal.
  • Os calçados (6:15). Quando convertido pelo evangelho da paz, os que se dizem inimigos se tornam aliados. Quando há mais aliados e menos inimigos, fica mais fácil vencer a batalha. Pregando o evangelho da paz salva vidas da destruição da batalha.
  • O escudo (6:16). A fé é o escudo do cristão contra "todos os dardos inflamados do maligno". Tudo pode ser vencido em Cristo (Filipenses 4:13), através da fé verdadeira que foi uma vez por todas entregue por Ele (4:4; Judas 3).
  • A espada (6:17). Tomar o capacete da Salvação, somos crentes em Cristo Jesus, nenhuma carapuça nos é colocada, a única arma ofensiva que o cristão precisa é a palavra de Deus (Hebreus 4:12; João 12:48; Apocalipse 1:16; 19:15). Para ganhar uma batalha espiritual, temos que falar a palavra espiritual de Deus, e não a palavra carnal dos homens.