Contexto SAGRADAS ESCRITURAS, 10.jul.2017, Mateus 5

EU, porém vos digo: Amai a vossos inimigos, bem-dizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; [Lucas 23.34; 6.27-28; Atos 7.60; Romanos 12.14; 1Pedro 3.9; Salmos 7.4]
Para que sejais filhos do vosso PAI que está nos céus;
porque faz que o Seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.
[Lucas 6.35; Atos 14.17; Mateus 5.9; Jó 25.3; Salmos 145.9]
Pois, se amardes os que vos amam, que galardão havereis? Não fazem os publicanos também o mesmo? [Lucas 6.32-35; Mateus 6.1; 9.10-11; 11.19; 18.17]
E, se saudares unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim? [Mateus 5.20; Lucas 6.32; 10.4-5; 1Pedro 2.20]
Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso PAI que está nos céus. [Levítico 19.2; Colossenses 1.28; Gênesis 17.1; Deuteronômio 18.13; Lucas 6.36]

[664,370]

abril 21, 2008

A oração da igreja...

...
Ensina-nos a Palavra do Senhor que “... A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.” (Tiago 5.16). E esta é a força juntamente com o jejum, que mantêm o crente cada vez mais fortalecido espiritualmente.

Meditando na Palavra de Deus, que nos dá entendimento, nos dá fortaleza, nos é o bálsamo para nossas vidas, aprendemos no temor do Senhor que a comunhão com os irmãos alegra o coração de Deus, que nos libera sua benção e nos ungi com Amor.

Louvado seja o nome do Senhor! Que nos uni em seu Santo Amor, e, nos faz ovelha do seu pasto. Mas, sendo ovelhas do pasto do Senhor, não impede há sofremos dificuldades, financeiras ou de saúde, dores (ver Mateus 16.34; João 16.33; 2Coríntios 12.7-10; Filipenses 4.11,12).

Mas, e quando algum irmão está em necessidade e ou dificuldade, o que faremos?

Como nos ensina o Senhor Jesus, “a oração do justo pode muito”, e, como vivemos em comunhão, pois somos o corpo de Cristo, devemos em santo amor e comunhão nos aplicarmos à oração a favor de nosso irmão necessitado, “Comunicai com os santos nas suas necessidades...” (Romanos 12.13).

Examinando o capítulo 12 no livro de Atos dos Apóstolos, vamos nos deparar com o relato da união de irmãos reunidos com o fim único e exclusivo de estarem orando por Pedro, encerrado na prisão por Herodes, que estendeu sua mão sobre alguns da igreja para os maltratar.

Com descrição deste fato, podemos aprender os ‘cinco segredos da oração da igreja’, da ‘oração em comunhão’, da ‘oração fundada em amor’:

1) Oração unida
A igreja orava. Podemos notar que isso é impossível, sem a igreja findar primeiramente com todas as contendas ou murmurações.
“Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” (Mateus 18.19,20)

2) Oração fervorosa
A igreja fazia contínua oração. Oravam sem cessar. O sentido do original não é tanto que oravam por muito tempo, mas antes, oravam com desejo ardente – “com insistência”. A palavra é a mesma usada para descrever a oração de Cristo no Getsêmani, “E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão.” (Lucas 22.44)

É a súplica fervorosa do justo “que pode muito”. “Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.” (Tiago 5.16 )

Não é tanto o tempo que passou orando como a maneira em que oramos. Mas parece que a igreja orava durante os sete dias da festa (Atos 12.5,12). “E rogo-vos, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito, que combatais comigo nas vossas orações por mim a Deus;” (Romanos 15.30).

3) Oração no Espírito
A Deus. Os irmãos não suplicavam aos ídolos, nem rezavam aos santos, e nem oravam sem contato com Deus. Quantos filhos de Deus sabem o que é orar no Espírito? Quantos que o sabem têm costume de o fazer?
“Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos,” (Ef 6.18); “Mas vós, amados, edificando-vos a vós mesmos sobre a vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo,” (Judas 20).

4) Oração definida
Por ele, Pedro. Na reunião de oração prolongada, perseveravam em um só assunto, com um só alvo, que o Senhor libertasse a Pedro.

'A oração definida para os presos no pecado é a necessidade atual.'

5) Oração perseverante
Não cansaram nas orações por Pedro durante os sete dias que ele estava preso. Oraram até ele sair da prisão.

Enfim, tempo de grande perigo ou de grande perturbação, deve ser tempo de oração da igreja, reunida, principalmente por estarmos passando por tempos trabalhosos, “Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.” (2Timóteo 3.1); devemos orar sempre, unidos, especialmente nesse tempo.
...